quinta-feira, 15 de maio de 2008

sem palavras...

Responde no meio do crime por ‘Patusca’ mas chama-se Osvaldo. Foi sempre libertado pelos tribunais depois de assaltar as carrinhas de valores à mão armada, e ainda a 20 de Novembro do ano passado, quando atacaram o Finibanco em Moscavide. Estava no gang que baleou um polícia antes de o Grupo de Operações Especiais os apanhar. Levava outros sete assaltos a carrinhas e ainda um segurança baleado quando a PJ o apresentou quinta-feira a o Tribunal de Sintra, mas já está outra vez à solta. Bastou dizer ao juiz que trabalha. É barbeiro.
Está entre os quatro assaltantes que a Direcção Central de Combate ao Banditismo da PJ foi buscar a casa depois do último assalto, em Massamá, e que na segunda-feira anterior, em Loures, balearam um funcionário da Esegur antes de fugirem com cerca de 35 mil euros. É um dos dois à solta, conforme o CM avançou ontem. Um elemento do gang morreu depois se saltar da janela a fugir à PJ e outro perigoso cadastrado está em casa.
Vânio, da Portela de Carnaxide, Oeiras, também está habituado a ser detido pela PSP e PJ e logo depois libertado pelo juiz. A Esquadra de Investigação Criminal da PSP apanhou-o há oito meses, na zona de Caxias, pela tentativa de roubo violento a uma carrinha de valores da Esegur. Levado ao Tribunal de Oeiras, foi libertado pelo juiz e sujeito a simples apresentações periódicas numa esquadra.
Continuou a atacar e, nem quatro meses depois, a PSP de Oeiras encontrou-o a circular num Audi A4 roubado pelo método de carjacking na Margem Sul do Tejo. Foi mais uma vez levado a um juiz – e novamente posto em liberdade.
Preso quinta-feira pela PJ, espera julgamento em casa. Está só provisoriamente na cadeia de Caxias, à espera que lhe montem em casa o telefone fixo que acciona a pulseira electrónica caso fuja.
Correio da Manhã

Nenhum comentário: